169069-estudar-ballet-no-exterior-vale-a-pena-o-risco
Dicas,  Todos

Estudar ballet no exterior: vale a pena o risco?

Quem sonha em ser bailarino profissional sabe que a jornada até a conquista do objetivo é árdua e exige muita dedicação, paciência e foco. Por esse motivo, muitos dançarinos optam por estudar ballet no exterior, para se aprimorar e até amadurecer profissional e pessoalmente.

Mas, quais são os desafios de estudar fora do Brasil? Vale a pena investir em um curso no exterior para se tornar um bailarino? No post de hoje, vamos falar sobre os prós e os contras relacionados a essa escolha para que, assim, você possa avaliar e decidir se dará mesmo esse grande passo.

Possibilidade de estudar ballet em lugares que valorizam essa arte

Sabe-se que algumas culturas têm o hábito de valorizar e prestigiar essa dança. É o caso da Rússia, onde o ballet é levado muito a sério. Como resultado, o país tem os mais renomados bailarinos do mundo, que se destacam por sua perfeição, leveza e precisão nos movimentos.

Estar próximo desses profissionais é, certamente, muito motivador para quem estuda ballet, pois é uma oportunidade de aprender mais, ter mais oportunidades e mais visibilidade.

Mais oportunidades para entrar em uma boa companhia

Se você estuda em um país que leva o ballet com muita seriedade e faz dele um bom nicho de empregos, consequentemente crescem as chances de se conseguir uma vaga em uma boa companhia.

Nos países onde a dança é mais valorizada, os profissionais tendem a receber esse mesmo tratamento, assim como as companhias de dança, que têm renome mundial e podem se tornar seu local de trabalho por alguns meses ou até por tempo indeterminado.

Investimento alto

Por outro lado, também é preciso pensar no investimento. Um curso de ballet em uma boa instituição pode sair bem caro. Por isso, é preciso avaliar se há condições de arcar com ele até o final, considerando inclusive a possibilidade de trabalhar ou não durante a temporada em que estiver morando no exterior.

Outros custos também devem ser adicionados, como o valor de uma moradia, alimentação, lazer, transporte e outros gastos (com material, figurino e acessórios, por exemplo).

Desafio de adaptação à cultura local

Sair do seu país de origem para morar em outro não é tão simples quanto parece. É preciso entender que a cultura local pode ser muito diferente da sua e que, consequentemente, pode ser mais difícil fazer amigos e até realizar atividades simples do dia a dia.

Outros fatores, como o clima do país e a distância da família e dos amigos, também devem ser considerados com cuidado antes de tomar a decisão. O objetivo é minimizar, ao máximo, o risco de se arrepender ou de ter que trancar o curso quando estiver na metade para retornar ao Brasil.

Estudar ballet no exterior pode ser uma experiência fantástica. Basta ter planejamento financeiro e consciência de que haverá desafios a serem enfrentados. Porém, com a garra e a força de vontade típicas de quem quer ser bailarino profissional ou se aperfeiçoar ainda mais, você poderá ter uma vivência única e muito valiosa no exterior e ampliar seus horizontes.

E então? Deu vontade de ir? Para se animar ainda mais, confira aqui a história do ballet russo Bolshoi, a maior companhia de dança do mundo!