Música clássica e Ballet: entenda a relação

Diego
16 de outubro de 2017
0 34 views

Música clássica e ballet são dois elementos que andam lado a lado, não é verdade? Um lindo espetáculo sempre possui uma belíssima trilha sonora que ajuda a dar vida a todos os movimentos que são coreografados pelos bailarinos.

Contudo, vale ressaltar que nem sempre foi assim. Durante anos os espetáculos de ballet davam pouca ou nenhuma prioridade para a música que, até então, servia apenas como um pano de fundo para a execução da dança.

Se isso foi uma surpresa para você, continue a leitura para saber mais a respeito dessa curiosidade!
Drama, ritmo e uma bela composição

Como citamos, durante muitos anos os espetáculos consistiam basicamente na observação de toda a dança, e a música servia para “preencher” o incomum silêncio que ficaria sem ela.

O papel do músico naquele momento era apenas realizar uma composição que fosse agradável aos ouvidos dos espectadores do evento. Até essa ocasião, podemos dizer que a dramaticidade e o ritmo eram deixados de lado.

Somente com músicos como Tchaikovsky (1840-1893) tudo mudou. O drama passou a fazer parte das apresentações e o ritmo se tornou imprescindível em toda a obra de ballet. As músicas deixaram de somente agradar a quem assistia ao espetáculo e elevaram-se a componentes primordiais em números que contavam histórias.

Com isso, a arte ganhou força e as composições tornaram-se complexas, verdadeiras obras-primas! Seus compositores ganharam fama, por inúmeros trabalhos extraordinários. Atualmente, é impossível imaginar o ballet sem a música clássica, fortemente unidos pelas coreografias, nos chamados ballets de repertório.

Aliás, se você gosta de ballet, é bem provável que também tenha uma forte admiração pelas trilhas das grandes apresentações, não é mesmo?
Alguns dos maiores compositores do ballet

Bem, agora que já falamos um pouco sobre o momento em que as músicas se tornaram tão importantes quanto a arte da dança, chegou a hora de conhecer alguns dos maiores compositores do ballet.

Como um dos destaques podemos citar o já mencionado Piotr Ilitch Tchaikovsky, compositor responsável por criar alguns dos maiores clássicos do mundo da dança. O russo compôs a trilha sonora apenas de O Lago dos Cisnes, A Bela Adormecida e O Quebra-Nozes. Sua participação no ballet é espantosa e até os dias de hoje seu talento é venerado por milhares de fãs ao redor do mundo.

O segundo compositor de destaque é o austríaco Ludwig Aloisius Minkus, que criou The Source, Don Quixote e La Bayadère. Esses são outros três grandes clássicos apreciados por dançarinos profissionais e fãs do ballet.

Por último, podemos citar Serguei Sergueievitch Prokofiev, compositor das músicas de Romeu e Julieta, Cinderela entre outras obras-primas de grande valor e muito famosas. Prokofiev é considerado o compositor mais aclamado do século XX, e sua legião de admiradores continua a aumentar.

Com esses e outros grandes artistas, a música clássica transformou o ballet e se tornou muito prazerosa para dançar e também para ouvir. E, como se não fosse o bastante, ela também é capaz de causar um excelente impacto na saúde de quem a escuta com frequência.

Alguns benefícios são: a ajuda no controle de depressivos, o alívio de dores de fundo emocional, a melhora do humor, da qualidade do sono, de aspectos cognitivos (como memória, raciocínio, criatividade e produtividade), só para citar alguns.

Tudo isso já faz com que o ballet se torne uma atividade física excelente, certo?Bem, ainda podemos completar ressaltando que essa dança pode ser um verdadeiro desafio físico para quem praticá-la, principalmente para quem desejar seguir no ballet. Conclusão: atividade incrível por si só, e que ainda faz maravilhas pelo vigor do corpo e da mente.

Este foi o nosso artigo sobre música clássica e ballet! Esperamos que você tenha gostado. Você tem alguma experiência que gostaria de dividir? Escreva nos comentários abaixo! Nós adoramos saber sua opinião!