Dicas,  Todos

Ballet infantil: quando e como começar a praticar?

Do clássico ao contemporâneo, o ballet é uma dança que fascina as pessoas devido à elegância das bailarinas e aos figurinos deslumbrantes que chamam a atenção pelo glamour que representam. As crianças, principalmente, se encantam com o universo de fantasia que a dança evoca, e esse encantamento faz com que os pequenos se interessem pelo ballet infantil desde bem novinhos.

Muitos pais ficam na dúvida sobre qual é a melhor idade para iniciar os filhos na dança. Confira, então, algumas informações importantes sobre a dança e descubra qual o momento ideal para matricular os pequenos no ballet infantil. Vamos lá?

Quais são os benefícios do ballet infantil?

Como toda atividade física, o ballet apresenta inúmeras vantagens para o corpo e para a mente. Dentre os diversos benefícios que a dança traz, os principais são disciplina, postura e ritmo.

Além disso, a partir do momento em que a criança começa a entrar em contato com a arte, música, figurinos e histórias, sua criatividade e imaginação começam a ser desenvolvidas e estimuladas, principalmente as partes que estão relacionadas aos contos de fadas.

As noções de musicalidade e ritmo também são desenvolvidas, bem como a consciência corporal, coordenação motora, flexibilidade e fortalecimento muscular.

A Psicomotricidade

Esse é o nome da ciência que estuda o homem por meio do seu corpo em movimento e em relação ao seu ambiente externo e interno. Os estudos da área apontam que a estrutura física é o princípio fundamental de qualquer comunicação, o que torna o desenvolvimento da criança dependente da forma como o seu corpo interage com o meio ao qual está inserido.

Desse modo, movimento não significa apenas o ato de mexer o corpo, mas também a maneira de se expressar por meio dele, adquirindo conhecimento de mundo, sensações, percepções e conexões afetivas e emocionais.

De acordo com um estudo feito por pesquisadores do ramo, o ballet clássico ou o baby class é uma das atividades que mais estimulam a educação psicomotora da criança (nas idades entre 3 e 7 anos), fazendo com que sua imagem corporal seja melhor definida, com uma maior consciência de si e do mundo seu redor.

O que dizem os médicos e pediatras

Muitos médicos já reconhecem os benefícios do ballet e o indicam para crianças com asma, má postura ou problemas ortopédicos, como o famosos “pé chato” ou “pé torto”.

Alguns ortopedistas, inclusive, afirmam que os exercícios de ballet, como movimentos de abrir e fechar os pés, podem corrigir o problema do “pé torto” caso a criança tenha menos que 7 anos de idade.

No que diz respeito aos problemas de coluna vertebral, uma pesquisa feita em conjunto com médicos ortopedistas e participantes do Portal da Dança analisou 10 crianças entre 7 e 9 anos com aumento da curvatura lombar e alterações de rotação nos dois joelhos.

Como tratamento, os especialistas determinaram que as crianças fizessem aulas de ballet clássico 2 vezes por semana, com 50 minutos de duração cada aula, por um período de 8 semanas.

Os resultados foram surpreendentes: ao término do protocolo de aulas, foi constatada uma melhor simetria entre os dois joelhos de todas as crianças, com redução de 8 para 1 do grau de rotação, além da melhora na correção postural.

Quais as principais dificuldades ao se estudar o ballet?

Os collants cor de rosa e as saias rodadas fazem do ballet uma dança muito graciosa, mas não se engane pensando que é uma atividade simples. O ballet exige muito preparo físico e bastante dedicação durante as aulas.

Por causa da dificuldade técnica e a repetição de movimentos, dores musculares e bolhas nos pés são frequentes. As pernas e os pés são os mais demandados durante a atividade, o que significa que, se introduzidas antes do recomendado, as crianças poderão sofrer lesões graves.

Portanto, os pais devem procurar escolas de dança com profissionais qualificados que vão ministrar aulas de acordo com a faixa etária e com a maturidade física das crianças.

Afinal, qual é a melhor idade para iniciar no ballet?

Hoje em dia, existem aulas de dança voltadas para crianças a partir de 2 anos e meio. A Royal Academy of Dance oferece um programa chamado “Dance to Your Own Tune”, em português: “Dance sua própria melodia”. Esse programa de ensino reconhece a importância do movimento para as crianças, visando seu desenvolvimento cognitivo, motor e afetivo.

Esse foco no movimento não implica na sua superioridade sobre criatividade, expressão e musicalidade, mas defende que a movimentação é a forma para que esses elementos sejam desenvolvidos, como explicado anteriormente no tópico sobre a Psicomotricidade.

O ballet propriamente dito (ou o ballet infantil) é indicado para crianças a partir de sete anos. Com o passar do tempo, ocorrerá o refinamento das habilidades aprendidas e as técnicas que exigem maior expertise serão estudadas de acordo com o progresso dos alunos.

Baby class

Já o baby class (que por muitos é considerado o nível “pré” ballet clássico) é direcionado para crianças entre 3 e 7 anos, no qual os primeiros passos do ballet são apresentados aos pequenos de uma maneira lúdica e divertida, com cantos populares, cantigas e músicas infantis.

É nas aulas de baby class que os professores devem incentivar o gosto pela música, dar as primeiras noções de individualidade e de limites do próprio corpo, bem como estimular a imaginação e criatividade da criança por meio de brincadeiras, jogos, exercícios no chão, diagonais etc. O uso da barra ainda não é indicado para crianças tão pequenas.

É importante destacar que, ao iniciar o ballet infantil, não se deve incentivar o uso de sapatilhas de ponta já nas primeiras aulas. Isso porque é somente por volta dos 11 anos que os pequenos ganham mais força na estrutura dos pés e, por isso, recomenda-se que as sapatilhas de ponta sejam introduzidas a partir dessa idade e para bailarinas com, pelo menos, dois anos de prática na dança.

Como escolher a escola de ballet e profissionais?

Apesar da empolgação dos pequenos, muitos pais ficam receosos quanto à iniciação na dança e não é sem motivo. É preciso ter cautela na hora de tomar uma decisão que poderá transformar totalmente a realidade dos filhos, por isso recomenda-se tempo e dedicação para pesquisar os melhores estúdios e escolas de dança.

Além disso, é importante ver avaliação, depoimentos de alunos e ex-alunos e ainda levar a criança para fazer uma aula experimental (sendo que os pais ou responsável devem acompanhar o momento do começo ao fim).

Como visto, se a introdução da criança ao ballet infantil for feita na hora certa e com o apoio de profissionais qualificados, as aulas serão momentos de pura alegria e diversão para as crianças. E ver os pequenos felizes é tudo que os pais mais desejam.

Gostou das dicas? Então não deixe seus colegas fora dessa e compartilhe este conteúdo nas redes sociais!

Coleção Capsula 4 - novembroPowered by Rock Convert