5 mitos sobre o ballet desvendados

Diego
8 de maio de 2017
0 230 views

Sabe-se que muitos mitos giram em torno do ballet e isso, muitas vezes, faz com que as pessoas percam o interesse por aprender essa dança. O que é uma pena, pois a maioria dessas crenças são infundadas!

Para mudar essa história, preparamos o post de hoje com 5 mitos sobre ballet totalmente desvendados, envolvendo gênero, idade, valores, entre outras coisas. Preparado? Então acompanhe a leitura e confira!

1. Ballet é só para mulheres

Criou-se um estereótipo relacionado ao ballet que diz que esse é um “mundo cor de rosa” onde só as meninas podem entrar. Em primeiro lugar, nem toda garota gosta de rosa, e depois, existem bailarinos maravilhosos que provam que o ballet é uma dança democrática. Portanto, esse mito já caiu por terra!

2. Assistir ballet é caro

Outro mito que permeia essa dança é em relação ao preço das apresentações. E esse tipo de pensamento pode prejudicar tanto os possíveis espectadores quanto as companhias de ballet, uma vez que essa pressuposição impede as pessoas de apreciarem belas apresentações e impede que as companhias tenham uma visibilidade muito maior.

Hoje em dia, é possível assistir apresentações de qualidade no Teatro Municipal de São Paulo, por exemplo. Os valores são bem acessíveis e sempre há descontos para estudantes e pessoas com idade superior a 60 anos. Isso quer dizer que assistir ballet não é necessariamente caro!

3. Só dá para começar a aprender ballet na infância

É evidente que quanto mais cedo iniciar, mais habilidades técnicas o bailarino terá na idade adulta, mas isso não significa que só é possível aprender ballet na infância. Tanto isso é verdade que, cada vez mais, as companhias de dança para adultos vem ganhando força.

Você não precisa ser flexível a ponto de colocar o pé na orelha, nem aprender a ficar na ponta dos pés (afinal, isso leva anos!) para se sair bem nas coreografias. Muita gente começa a dançar na idade adulta por prazer, e o prazer pela dança não tem idade.

4. Ballet é chato e entediante

Se você pensa que o ballet é uma atividade monótona, pense de novo! É claro que se deve treinar os movimentos repetidamente para aperfeiçoar a técnica, mas qual modalidade não requer isso?

Além disso, cada dança conta uma história, cada espetáculo traz diferentes sentimentos e a música que acompanha as coreografias ajudam as pessoas submergirem no clima.

Se você não se sentiu tocado por uma apresentação ainda, não se preocupe. Afinal, existem centenas de outras e uma delas, com certeza, vai despertar suas emoções, passando longe da monotonia.

5. Os pés dos bailarinos são deformados

O último dos mitos sobre ballet a ser desvendado tem a ver com a aparência dos pés dos bailarinos. Entenda que, quem começa a dançar com 3 anos de idade (ou menos), provavelmente só terá permissão de subir nas pontas, em média, com 9 anos de idade.

E, se o objetivo do bailarino for se tornar um profissional, certamente isso irá demandar horas e horas de prática. Isso significa pés calejados, com bolhas e com o shape acompanhando o formato da sapatilha.

Porém, essa não é a realidade de quem decide dançar mais tarde, sobretudo na idade adulta, já que o pé já se desenvolveu por completo e dificilmente serão pedidas horas de exercícios ou que se suba nas pontas das sapatilhas. Sendo assim, seus pés não vão deformar se você começar o ballet hoje.

Agora que você desvendou os mitos sobre ballet, que tal começar sua primeira aula? Não se esqueça de compartilhar esse post em suas redes sociais!