Os 13 estilos de dança de salão que você tem que conhecer

Quem tem paixão pela dança sabe como é gostoso conhecer novos ritmos e descobrir novas formas de se expressar com o corpo, não é verdade? Este artigo foi feito justamente para mostrar que, muito além do ballet, há uma infinidade de estilos de dança de salão igualmente apaixonantes.

Muitas pessoas, no entanto, têm dúvidas quanto à definição desse tipo de dança, como ela surgiu, quais são os estilos etc. Se você faz parte desse grupo e também gostaria de saber mais sobre essa modalidade, continue a leitura e conheça 13 subtipos superdescolados e diferentes de dança de salão para você aproveitar a dois. Confira!

A história da dança de salão

Antes de conhecer os estilos de dança de salão, nada melhor do que descobrir um pouco mais sobre a sua história. A seguir, nós contamos um pouco mais sobre ela.

No mundo

As danças de salão são definidas, principalmente, por movimentos corporais e ritmados realizados por uma dupla de dançarinos. Elas se originaram nos bailes da nobreza europeia no final da idade média, aparecendo pela primeira vez nas cortes italianas. Os ritmos mais populares eram os clássicos e sofisticados — como a dança medieval — e eram praticados somente pela aristocracia da época.

Somente nos séculos XV e XVI que ritmos mais rápidos foram sendo introduzidos. Entre eles, é possível citar o Galliard — caracterizado por saltos, pulos e rodopios — e o Sarabande, no qual os casais se posicionavam em uma linha dupla e eram embalados por castanholas e melodias animadas.

No Brasil

A dança de salão só foi chegar a territórios brasileiros durante o século XIX por meio dos professores da corte portuguesa que ensinavam etiqueta e dança social. No decorrer dos anos, a dança de salão passou a ter uma maior variedade rítmica e foram introduzidos os ritmos latinos como cha cha cha, mambo, maxixe, jive, paso doble, rumba etc.

A partir disso, a organização internacional de danças de competição, World Dance Sport Federation (WDSF), passou a classificar as danças de salão em dois tipos. Um deles são as latinas, mencionadas acima, e as clássicas, como a valsa, slowfox, tango, quickstep e muitas outras.

13 estilos de dança de salão

Agora que você já descobriu como os estilos de dança de salão surgiram e como chegaram no Brasil, chegou a hora de descobrir quais deles se encaixam nessa modalidade tão gostosa de dançar. Confira, a seguir.

  1. Maxixe

O Maxixe, também conhecido como o tango brasileiro, foi criado na periferia do Rio de Janeiro em meados de 1870. Essa dança, que deu origem ao samba de gafieira, é sensual e desenvolta, chegando até a ser proibida por ser considerada muito provocante para a época.

Nesse estilo, o casal deve dançar com os pés rasteiros, quase sem tirá-los do chão, e toda a coreografia concentra-se no intenso rebolado e nas pernas entrecruzadas. A posição das mãos é entrelaçada às do parceiro e suspensas no ar, similar ao forró.

A principal diferença entre as duas danças é que, no Maxixe, os passos são mais curtos e há muito mais jogo de cintura. Por ser, muitas vezes, bastante rápido, esse é um estilo que sua a camisa e contribui para a vida fitness dos dançarinos.

  1. Lindy Hop

De origem afro-americana, o Lindy Hop é dançado ao som do Swing Jazz e é, com certeza, uma das danças mais animadas que você já viu na vida. Embora seja relativamente recente no Brasil, já faz seu nome por aí desde os anos 1920, quando habitantes da periferia de Nova York se reuniam para dançar ao som das chamadas big bands da época.

Apesar da alta segregação racial desse período, negros e brancos se divertiam juntos. Foi assim que criaram novos passos usando como base o sapateado e o charleston, que influenciaram muito a estrutura atual dessa dança.

O interessante dessa atividade é que ela não apenas promove o emagrecimento — que é provocado pelo intenso e ligeiro jogo de pernas —, mas também favorece a saúde mental do seu praticante. Isso porque os passos são relaxados, divertidos, e apesar de terem uma marcação básica, não há restrições. Ou seja, há muito espaço para o improviso e a criatividade.

  1. Mambo

O Mambo é um estilo de dança de salão tipicamente latino, de origem cubana e com influências dos ritmos africanos e do jazz, criado nos anos 30. De coreografia rápida, essa é uma atividade que exige fôlego e força.

Além disso, o casal deve tomar uma posição mais afastada, de modo a ter equilíbrio na execução dos passos. A flexibilidade e a rapidez também são pontos-chave que precisam ser desenvolvidos pelos dançarinos para que a dança seja bem executada.

  1. Bachata

Criada na República Dominicana, nos anos 60, a Bachata é dançada em ritmo mais lento e se distingue pelo acentuado movimento do quadril. Romântica e contagiante, essa dança permite que seus praticantes sejam capazes de controlar os membros inferiores como se não fizessem mais parte do próprio corpo.

Por ser sensual ao extremo e dançada bem de perto, a prática da Bachata é capaz de potencializar a capacidade de sedução. Além disso, pode melhorar a autoestima e permitir que o corpo se expresse com uma linguagem própria.

  1. Paso Doble

Originado no século XVI, na Espanha, o Paso Doble é um dos ritmos mais representativos desse país. Isso porque a sua postura é tensa, bem marcada, forte e decidida, semelhante ao flamenco.

Esse ritmo intenso é dançado frente a frente, mas um pouco mais afastado que a maioria das outras danças de salão. Ele consiste em um passo por tempo, no qual o casal permanece paralelo e com as mãos unidas.

Os homens costumam ser mais abruptos, enquanto as mulheres movimentam levemente os quadris. Entre os principais benefícios está o controle da ansiedade, e equilíbrio, mantidos pelo alto nível de concentração das pessoas que praticam a dança.

  1. Quickstep

Como o próprio nome já diz — a tradução livre seria algo próximo a “passo rápido” —, o estilo é marcado por passos rápidos e pequenos saltos, sendo classificado como um tipo de dança de salão clássica. Seu surgimento está intimamente ligado a dois gêneros musicais, o Jazz e o Ragtime, este último caracterizado pelas batidas intensas e vibrantes.

Embora o Quickstep ainda seja comparado com a valsa, já que suas posições iniciais são muito parecidas, ele se diferencia porque combina movimentos circulares e lineares. Em grande parte da dança, os homens ficam com as pernas mais abertas.

  1. Cha cha cha

A dança tem origem em Cuba e é derivada do Mambo e da Rumba tocados nas décadas de 1940 e 1950. O cha cha cha tem como principal característica o ritmo quaternário, ou seja, conta-se “2, 3, 4 e 1”, sendo o “4 e 1” marcados pelos dançarinos como “Cha cha cha”.

A origem do nome vem de um dos passos da dança, chamado de “chassé”, pois o som que era emitido pelos pés dos bailarinos ao fazerem esse movimento parecia retumbar “cha cha cha” no ambiente. Hoje em dia, o ritmo, embora um pouco modificado, pode ser ouvido nas rádios por meio de grandes estrelas do pop, como Carlos Santana e Rick Martin.

  1. Jive

Esse estilo de dança de salão se popularizou nos Estados Unidos na década de 1930 e tem origem nas comunidades afro-americanas dessa época. Assim como no cha cha cha, ele tem um ritmo quaternário e é caracterizado por movimentos sincopados, um efeito rítmico que desloca os acentos do tempo fraco ao forte de uma música, e passos rápidos e soltos.

  1. Merengue

O Merengue, com sua origem no final do século XVIII e início do século XIX, é um ritmo de dança resultado da fusão entre o Minuet francês e o africano. Considerada como a dança nacional da República Dominicana, surgiu depois de os escravos reinterpretarem as danças executadas nos grandes bailes dados pelos seus senhores.

Com uma leveza surpreendente, apesar dos seus ritmos bastante curtos, precisos e rápidos, o Merengue é uma das danças mais divertidas e simples de aprender. Enquanto um dos pés marca o tempo, o outro é arrastado no chão e as pernas comandam essa dança frenética em contraste com os membros superiores, que ficam praticamente imóveis.

  1. Salsa

Com muitos movimentos que envolvem giros, a Salsa é uma dança bastante intensa, mas sem deixar de ser leve. Ela surgiu em Cuba, no século XVIII, e conta com forte influência dos africanos, franceses e espanhóis. Muito sensual, em seus movimentos o homem coloca a perna direita entre as pernas da mulher e os passos são, basicamente, ir para frente e para trás.

Muitos instrumentos são utilizados na Salsa, como o cravo, as maracas, trompetes, guitarra, tumbadora e até o piano. Na década de 1980, o estilo se espalhou pela América Latina e chegou também até a Ásia e Europa. Com o passar dos anos, ganhou muita influência de outros estilos, mas faz muito sucesso até hoje — principalmente na Colômbia, local em que sua popularidade só cresce.

  1. Zouk

O Zouk é um estilo de dança que nasceu nas ilhas caribenhas que sofreram colonização francesa. O seu nome deriva de um termo da língua creole, uma mistura do francês com dialetos africanos, que significa “festa”. Nos seus lugares de origem, porém, existe uma outra forma de dançar esse ritmo que não é o mesmo praticado no resto do mundo.

No Brasil, por exemplo, os dançarinos aproveitaram esse novo tipo de dança para colocar em prática a lambada que, como estilo musical, entrou em decadência há alguns anos — mas nunca morreu como um tipo de dança. O Zouk, então, é dançado como ela, só que de uma forma mais lenta e sensual.

  1. Samba de Gafieira

Uma dança bastante brasileira, o Samba de Gafieira foi desenvolvido no Rio de janeiro no começo do século XX. Com bastante influência do Maxixe, se diferencia do Samba no pé porque essa modalidade é sempre dançada a dois e é o homem que conduz a mulher em todas as vezes.

A dança leva o gingado tipicamente brasileiro e é muito alto-astral, o que a torna uma das melhores escolhas para quem deseja fazer amizade, se divertir e, de quebra, perder peso. Os instrumentos presentes nesse tipo de Samba são a clarineta, o violão, percussão, choro e o cavaquinho.

  1. Soltinho

O Soltinho também é um ritmo brasileiro que surgiu nos anos 1980, também no Rio de Janeiro. O intuito foi encontrar um jeito de dançar dois ritmos que, até então, eram dançados somente de forma separada. É comum que ele seja dançado ao som de Pop Rock misturado com o disco dos anos 1970, com algumas músicas da Dance Music e como uma alternativa para ritmos que já têm suas próprias danças, como o Swing e o Fox Trot.

Esse tipo de dança se difundiu pelo país por conta da influência e estímulo de dançarinos como Jaime Arôxa e Carlinhos de Jesus. O seu passo básico é feito dos dois lados. O filme “Embalos de Sábado A Noite” pode ser considerado como uma das suas primeiras inspirações, já que o ator principal, por várias vezes executa passos muito semelhantes aos encontrados no Soltinho.

Como você pôde perceber, existem diversos estilos de dança de salão, cada um com suas particularidades. Além de entreter, é uma ótima forma de exercitar o corpo, perder aqueles quilinhos extras e, até mesmo, combater a depressão. Vale lembrar, porém, que cada um deles exige um certo tipo de roupa e que usar as certas é essencial para o conforto e para uma apresentação correta e maravilhosa.

Gostou de saber mais sobre os estilos de dança de salão que apresentamos? Então, aproveite e entenda a importância da musicalidade na dança e como desenvolvê-la!